terça-feira, 30 de novembro de 2010

Perdem por 55-0 e não estão em último!

Não é todos os dias que, num jogo de futebol, uma equipa consegue atingir um resultado de dois dígitos. Ora, na Mining Division, campeonato amador inglês, organizado pela Federação britânica, um jogo não só atingiu os dois dígitos como passou a meia centena de golos. A equipa de reservas do Logan RBL venceu o Madron por 55-0. Imaginam o resultado se fosse a equipa principal?
À partida já se previa um jogo difícil para o Madron, pois teria uma deslocação ao terreno do líder da prova e tudo ficou pior quando, na manhã do encontro, seis jogadores resolveram desistir e não comparecer. O Madron foi obrigado a entrar em campo com sete jogadores, o mínimo exigido por lei, pois não havia mais ninguém para jogar.Aproveitando as incríveis fragilidades do rival, o Logan RBL foi construindo um resultado histórico, marcando, em média, um golo a cada dois minutos. Pararam nos 55-0. O Madron, em dez jornadas, marcou apenas 2 golos e sofreu...205.
E, para finalizar, um detalhe: não é último! O Storm perdeu pontos na secretaria e tem -3, contra os 0 do Madron.

sábado, 27 de novembro de 2010

Isto é a mais pura das verdades! Tudo aquilo que ultrapassa a perfeição é enfadonho!

Ao ler esta noticia no Blitz, compreendi facilmente a razão pela qual os bilhetes, dos concertos desta banda Inglesa em Portugal, já tinham esgotados.

Com uma discografia de meter inveja a qualquer banda deste mundo, os James, do mítico Tim Booth, que se apresentam nesta tourné com o seu mais recente "The Morning After", é qualquer coisa de imperdivel!

O mais impressionante, para além dos seus inúmeros temas de sucesso (ex: Laid, Say something, Sometimes, Gettiting away whit it, Born to frustrtion, Sit Down, ou muitos e muitos outros) que facilmente conseguiríamos trautear (nem que fosse no chuveiro), é ver como Tim Booth e a sua banda, sem grandes artefactos e sem produções megalómanas conseguem, com a sua simplicidade, cativar o publico.
Tim Booth, um dia disse qualquer coisa deste género: - a imperfeição dos seus temas, cantada em concerto, é a coisa que mais agrada aos seus fãs.
James, durante os seus concertos, e através dos enganos (programados) e improvisos (ensaiados) que o seu vocalista Tim Booth faz questão em levar à cena, demonstram um claro desprezo pelo vedetismo! Quem tem o privilégio de os ver e ouvir (como eu já tive), para além de ficar totalmente preenchido e considerar bem empregue o dinheiro do bilhete, entende a mensagem que eles querem passar: Endeusar os ícones da música não faz qualquer sentido!
Para que possam comprovar o que eu digo, deixo aqui no Conclave os improvisos e os enganos... desta magnifica banda!

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Save the Word


Rent a person

Bem, para quem viu o validation deve ver este também... e reparem no cruzamento fabuloso que acontece...
Quanto a este... vejam e interpretem a mensagem...
Soberbo...

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

António Lobo Antunes «Sôbolos Rios Que Vão»


Sôbolos Rios Que Vão é um poema de Luís Vaz de Camões e o último romance de António Lobo Antunes. Se na anterior obra, intitulada Que Cavalos São Aqueles Que Fazem Sombra No Mar?, António Lobo Antunes tentou criar uma obra “perfeita” (nas palavras do autor) ou “O livro”, este novo romance não entra por esse caminho e oferece ao leitor uma viagem autobiográfica – ao contrário de mais um livro de crónicas que o autor tinha prometido nos finais de 2009, se não me falha a memória.

A temática gira à volta da grave doença que atingiu o autor entre o final de Março e o início de Abril de 2007 e de tudo aquilo que ele sentiu, chorou, sonhou e reviveu enquanto esteve hospitalizado. Sem margem para grandes dúvidas, este mergulho no rio que lá foi é a obra mais intimista, íntima e humilde escrita até à data; nos anteriores romances, o recurso a aspectos pessoais e sociais que Lobo Antunes experienciou era bem patente: o amor pelo avô, a casa em Nelas, as tias salazaristas, o pai que o obrigou a ir estudar Medicina, a adolescência vivida em Benfica, Lisboa, o horror da guerra colonial onde ele foi forçosamente enviado como médico, a riqueza da sua família, o anti-fascismo e outros temas abordados são transportados para um patamar mais intimista – como referido atrás – numa espécie de confissão do silêncio, da humilhação, da saudade e do valor dado à vida. Lobo Antunes está consigo da primeira à última página: desabafa a doença nos intestinos (os “ouriços”, como ele se refere à doença) na primeira e na terceira pessoa, insistentes diálogos directos, mistura de narrativas e personagens – a que ele já nos habituou –, sentimento de náusea e tristeza contrastados com os húmidos olhos que “Antoninho” e “Antunes” choram no seu ombro.

Os livros de António Lobo Antunes não são destinados a todos os leitores – ou pelo menos, nem todos vão gostar ou compreendê-los – e este em especial deve ser lido apenas por aqueles que já conhecem as suas obras e que sabem um pouco da sua vida. Abro-me aqui perante você, estimado leitor, e partilho consigo a felicidade e a desolação do meu encontro, há uns anos, com um lobo solitário e da forma como vê-lo com a audição parcialmente diminuída e o cansaço evidente nos seus movimentos e olhos me deixou com um amargo sorriso. Mas isso não interessa para nada: leia este diário.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

:)

Momento de relativa boa disposição

«Tenho dúvidas que a Coreia do Norte não seja uma democracia» by Bernardino Soares, Deputado do Partido Comunista Português, in Diário de Notícias, 2003












Tendo em conta a actualidade político-bélica das Coreias, este tesourinho fica para a história.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

A evolução dos tempos...

Nos idos e saudosos anos 90´s, quando os Oasis estavam em alta, eu escolhi ser fã dos Blur! Não, para ser do contra, mas porque efectivamente a sua sonoridade, inconstante, e a rebeldia com estes betinhos se apresentaram ao publico, me fascinou desde o primeiro minuto!

Damon Albarn, ex-vocalista dos Blur e actual mentor da maior banda animada deste planeta, anunciou que o quarteto pode vir a ressuscitar já em Janeiro de 2011 «para fazer algo pequeno»!

Enquanto isso não acontece, Damon Albarn, garante que continua concentrado no seu outro projecto musical, de seu nome, Gorillaz:

domingo, 21 de novembro de 2010

Ora digam lá que ela não tem qualidade?

No meu ultimo post fiz questão em publicar, para que não houvesse dúvidas, o Casting de selecção da nossa actriz. Agora, para que possam confirmar o seu potencial (sem dúvida, o mais acertado para este papel!), deixo-vos aqui as primeira falas, da sua primeira cena gravada...

O que se lhes pediu foi: "Que dessem o seu melhor (delas!)!!!"

Relembrando a saudosa Adelaide Ferreira,"hoje o papel principal é meu, e só meu, e quem perdeu, foste tu e só tu! e nunca eu!", o que vão poder presenciar a seguir é, nada mais nada menos que, a confirmação da letra desta musica.
Para além da validação desta sábias palavras, o que vos deixo aqui hoje é, a prova de que a industria audiovisual (pelo menos a internacional) no que toca a escolher qualidade para o papel principal não brinca em serviço! Exige rigor, boa dicção, elegância e acima de tudo pose!
Mais, para poderem alcançar os exigentes objectivos pretendidos (a atribuição de um importante papel para uma peça de Shakespeare), estas duas actrizes, tiveram de se sujeitar (uma mais que outra!) a um rigoroso casting idealizado pela produção.
A confirma-lo está, a segunda concorrente deste casting que teve de se esmerar muito para poder obter este papel...

Agora que presenciou este video; destas duas concorrentes, quem considera que tem mais potencial para obter o papel principal? lol

sábado, 20 de novembro de 2010

Um cantinho de cultura que vale a pena visitar!

A Revista Play Bleu foi até algum tempo atrás uma revista alternativa de destribuição gratuita oriunda da cidade de Braga (se não me engano?) que nos deu a conhecer a sua Agenda Cultural, Noticias, Novas Bandas, Sugestões Online, Cinema, Concertos e muito, muito mais...

No entanto, e como tudo nesta vida, esta revista deixou por questões económicas(?) ou ecológicas(?) a sua versão em papel para passar, exclusivamente, a versão internet!

Como visito com alguma frequência este espaço, e porque gosto muito daquilo que lá vejo, decidi partilhar com os dEUSES deste Conclave este magnifico cantinho de cultura!

Espero que gostem!
PS.: Clique na imagem para aceder à revista!

Votar é um prazer, (mas só para alguns!)

Uma campanha eleitoral, da autoria da Juventude Socialista da Catalunha, em vídeo, que promove o acto eleitoral como sendo um prazer, neste caso como sendo um orgasmo, está a causar forte polémica em Espanha... ler tudo aqui

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Converge, meu amor


Jacob Bannon - Gritos, poesia & pintura
Kurt Ballou - 6 cordas
Nate Newton - 4 cordas
Ben Koller - Baquetas

Os Converge formaram-se em 1990 mas só em 1991 é que começaram a compor e a gravar material (demos) que viria a ver a luz do dia versão longa-duração com "Caring & Killing" (1994), com uma sonoridade vincadamente post-hardcore. O primeiro disco verdadeiramente "debut" é "Petitioning the Empty Sky" (1997): claramente mais agressivo e com notórias influências de thrash metal e algum crossover do início dos anos 80. "The Saddest Day" é a música mais conhecida do disco e um dos temas que mais ovação recebe ao vivo.

"When Forever Comes Crashing" (1998) segue as mesmas pisadas do anterior, apesar de tecnicamente se notar um "boost" interessante, com toques do movimento proto-hardcore técnico liderado por uns Starkweather (vistos ainda hoje como uma referência máxima do movimento mathcore). Daqui saíram bons temas como "When forever comes crashing", "The High Cost of Playing God", "Year of the Swine" ou "Love as Arson". Em 2001 sai aquilo a que eu e muito boa gente define como uma das obras primas da boa música: "Jane Doe". A costela grindcore e noisecore tecnicista revela-se em todo o seu esplendor neste disco de doze faixas, sem esquecer as suas próprias raízes do hardcore cru dos anos 80 de uns, digamos Black Flag, e os riffs da Bay Area ("Homewrecker", "The Broken Vow"). O disco termina em alta com a asfixiante, épica e melódica faixa "Jane Doe". Deste disco não só resulta um dos paradigmas daquilo que já se falava mas que ninguém queria assumir: o mathcore. Tempos complexos e dissonâncias rítmicas que fazem lembrar uma sonoridade mecânica. Mas "mecânica" acaba, de certa forma, por ir contra o som dos Converge, pois se há coisa que a banda ainda mantém desde 1991 é a sua homogeneidade na composição orgânica. Segundo Jacob, a mulher que aparece na capa (e que se tornou no símbolo da banda) não é baseada em nenhuma modelo mas sim fruto de mais um dos seus milhares de desenhos resultantes de experiências e relações sociais e amorosas - aspectos que marcam ainda hoje as letras da banda.

"You Fail Me" e "No Heroes" - 2004 e 2006, respectivamente - foram os discos que se seguiram. Menos caótico que o anterior de 2001, "You Fail Me" tem verdadeiros poemas de amor... Ainda hoje me arrepio quando oiço "Last Light". A "gritaria" de Jacob é intercalada com voz limpa e mesmo instrumentais semi-acústicos ("In her shadow", "Hanging Moon"). "No Heroes" é, de longe, o disco mais pesado da história da banda: produção crua à la noisecore, músicas curtas, tecnicismo, psicadelismo de "Plagues" e mais um marco na história da boa música: "Grim Heart/Black Rose". "O poema" do disco, arrisco. 9 minutos e meio (para contrapor com as restantes curtinhas) de sentimento, amor, sufoco, voz limpa, gritos e um clímax arrepiante - emocionalmente... emocional.

"Axe to Fall" (2009) uma vez mais surpreende ao alargar os horizontes e experimentar novos caminhos. O álbum conta com a participação de membros de Genghis Tron (Hamilton Jordan e Mookie Singerman), Cave In (Steve Brodsky, John-Robert Connors e Adam McGrath), Disfear (Uffe Cederlund), Blacklisted (George Hirsch), The Red Chord (Brad Fickeisen), Himsa (John Pettibone), Neurosis (um tal Steve Von Till) e também Sean Martin, que recentemente abandonou os Hatebreed.

De salientar que no meio da discografia da banda foram lançados EPs e split cds com bandas como Agoraphobic Nosebleed, Dive, Daltonic, Opposition, Coalesce, Brutal Truth, ou Hellchild. "The Long Road Home" de 2003 é um DVD que a banda lançou com uma qualidade de imagem e som que eu, francamente, recomendo apenas a die hard fans.

Vegetarianos/vegan, fans de Black Flag, Coalesce, Godflesh, Entombed, Slayer, Starkweather, Born Against, Black Flag, Agoraphobic Nosebleed e etecéteras, os Converge designam-se simplesmente como uma banda de "Punk Rock".

Eu defino-os como "amor".

Podem seguir o culto em: http://www.convergecult.com/ e http://www.myspace.com/converge







quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Uma melodia deliciosa...

É certo e sabido que existem imensos projectos musicais bons e portugueses...
Já aqui se falou de Tiago Bettencourt... Aqui fica mais uma das dele com a participação especial de Inês Castelo Branco...

Human castles

enjoy

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Quando eu era criança...

Existem pequenos videos que nos fazem pensar...

sábado, 13 de novembro de 2010

"Girls (irmã, primas, namoradas e colegas de escola) on film"...

No meu tempo de liceu, a minha irmã, as minhas primas, namoradas e quase todas as outras colegas de escola, quando ouviam o nome "Simon Le Bon", enrubesciam, ficavam sem oxigénio e sem fala! Depois, entravam numa gritaria tal que quase que lhes dava um "xelique"!

Para terem uma ideia daquilo que vos falo; tudo o que fosse parede, portas, ou tecto do quarto, levava com um poster ou calendário deste gajo! Entrar em alguns quartos destas meninas, significava ter este "Sexy (symbol) boy" a olhar para nós (ou seja, mais para elas!) o tempo todo!

Assim, e para elas, agora todas quarentonas, deixo aqui a noticia mais brilhante deste século, XXI:

O novo álbum "All You Need Is Now" da mítica banda dos anos 80´s chamada "Duran Duran", chegará às lojas em Fevereiro 2010. No entanto, e para compensar as fãs, o grupo disponibiliza o álbum, na integra e exclusivo, já a partir de 21 de Dezembro, no iTunes.

Prometendo um regresso em grande, o teclista da banda, Nick Rhodes, disse que este é o melhor álbum deles, editado nas ultimas duas décadas.

Made in Portugal

Os Balla, banda portuguesa de pop electrónico alternativo, estão de regresso com o seu novo álbum «Equilíbrio».
O single promocional «Montra», deste albúm editado no passado dia 10 de Novembro, contém um sample de «Rapaz Caleidoscópio», dos UHF, que vale a pena ouvir....

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Validation...

Um dia em que divagava pela world wid web deparei-me com este video... Não achei que iria provocar em mim aquilo que provocou...
Partilho convosco... Espero que de alguma forma tornem a vossa vida alguma coisinha diferente...

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Novos Métodos de Construção

video video

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Adivinha


P: Qual é a diferença entre um táxi e o Benfica?
R: O táxi só leva 4!!!

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Tanta invenção que até dá baile!







domingo, 7 de novembro de 2010

Uma nova banda de música alternativa portuguesa...

Antes de mais, quero informar que este post já estava a ser preparado por mim muito antes daquilo que aconteceu hoje! Nada teria, à priori, a ver com o derrota do SL Benfica (LOL!).

Poderia iniciar este post citando qualquer benfiquista antes do jogo: - 5? isso é "um redondo vocábulo", mas não o vou fazer!

Começo antes com: Face ao que aconteceu hoje, ouvir uma nova banda alternativa portuguesa, os "Venham mais cinco", a cantar temas do inesquecivel Zeca Afonso faz-me pensar...

... tanto quanto me fez pensar as palavras de André Vilas Boas, no final do jogo: " vencer por 5-0 sabe muito melhor"! LOL

Assim, por ser verdade e para que recuperem o mais rápido possivel, deixo aqui a todos os benfiquista, esta fabulosa "canção" deles...

A versatilidade da música...

Eu até nem sou do F. C. Porto... talvez padeça apenas de uma simpatia hereditária... No entanto não resisti a uma das piadas que já circula pelo mundo do facebook... Portanto,

VENHAM MAIS CINCO! ;D

Porto vs Benfica

Quem torce por quem? Acusem-se :p

Sugestão Semana

sábado, 6 de novembro de 2010

Sugestão de fim de semana...

Portugal recebe-os a 10 de Novembro na Praça de Touros do Campo Pequeno em Lisboa e, no dia seguinte, no Coliseu do Porto!

"Ezra Koenig, Rostam Batmanglij, Chris Tomson e Chris Baio, são os quatro rapazes que, depois de termirem os cursos na Columbia University, editaram um disco que se revelou uma verdadeira lufada de ar fresco no panorama musical. Vampire Weekend, apresentava uma banda sem medo de misturar rock e punk com ritmos africanos, criando uma sonoridade própria."

"Em 2010 editaram o segundo longa-duração, Contra, onde continuaram a inovar, não se limitando a repetir o que de bom tinham feito no primeiro disco. Além dos ritmos africanos, os Vampire Weekend alargaram os horizontes até outros lugares, como o Caribe, e criaram um álbum que certamente vai figurar em muitas listas dos melhores do ano." Tirado daqui

Homens


9 em cada 10 homens preferem mulheres com peitos grandes. O décimo prefere os outros 9 homens!

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Um nome que ficará "gravado" para sempre...

O novo livro "Mulheres que Amaram Demais", que acaba de chegar às livrarias, apresenta as histórias de nove mulheres extraordinárias que marcaram - e amaram - o mundo no século XX. Entre elas, a autora Helena Sacadura Cabral escolhe, como figura primordial do século XX na area do cinema, Marlene Dietrich.
Para além de todas as outras extraordinárias figuras femininas do século passado que a autora escolhe homenagear, eu, gostaria de completar esta, destacando Peter Murphy (e a sua obra prima, o álbum Deep), naquele que considero ter sido o maior hino de "amor" feito e prestado por um músico a esta enigmática figura que foi Marlene Dietrich, a uma musa inspiradora!

Desculpem-me a falta de modéstia, mas já tive o prazer de ver este SR. duas vezes -uma com os Bauhaus e outra a solo-; e esta é e será sempre, de toda a sua magnifica e infindável lista de êxitos, a minha música favorita!

terça-feira, 2 de novembro de 2010

"Dia de todos os Santos"

O dia 1 de Novembro pode ser abordado de várias formas mediante o "olho" que o observa.
Eu em particular admiro sobretudo "excessos" de muitas pessoas.
Os excessos cometidos pela vaidade das roupas que vestem. Isto porque até há quem compre brincos um mês de antecedência para condizer bem com a roupa que vai usar.Mas também e sobretudo pelas flores que vão adornar os jazigos.
As pessoas já mais idosas entram numa competição louca em que tudo vale para a vizinha do lado não ter uma qualidade de flores mais bonita, mas ainda há aquelas que podem esticar o cheque e pagar valordios por um simples ramo de flores, ou uma flor apenas. Neste caso falo também das floristas que devem ter dado graças aos céus por terem tirado a barriga de misérias e a crise ainda não se ter sentido nos bolsos de muitos.
No fundo penso que o excesso dos excessos é exagerarem em tudo e se esquecerem do propósito que as deveria levar a um local sagrado como o cemitério.
Este dia tal como tantos outros assinalados sobretudo pela igreja católica, apesar dos tempos que correm, são ainda poucos aqueles que entendem e cumprem o verdadeiro sentido dos factos.
Cada um vive mediante o "excesso" que quer mostrar.